Programa para Menores

O nosso programa específico para jovens tem como objetivo a aquisição de competências que lhes permitam gerir dificuldades com as quais se deparam na vida quotidiana.

A adolescência é um período de aprendizagem e de mudança, tanto a nível físico como psicológico, durante o qual o individuo deverá abandonar o estatuto de criança para adquirir progressivamente o de adulto. Esta fase de fragilidade é particularmente propicia ao aparecimento de comportamentos de risco, que por vezes são expressão do seu mal-estar. Assim sendo, o consumo de drogas na adolescência inscrever-se-ia num quadro particular de desenvolvimento, cuja compreensão será crucial para o tratamento.

A forma como um adolescente pensa, compreende e raciocina está em constante evolução. Na fase da adolescência o individuo começa a ser capaz de perceber as várias cambiantes, utilizando para tal as suas capacidades de abstracção. Isto permitir-lhe-á imaginar o futuro, definir objectivos pessoais e avaliar as diferentes alternativas com as quais se depara (Piaget, 1950).

É normal nesta fase o adolescente argumentar por argumentar e apontar constantemente defeitos aos adultos. Necessitam de por em prática as suas novas capacidades para adquirir alguma autonomia (Walker e Taylor, 1991), tirar conclusões precipitadas (Jaffe, 1998) e ser egocêntrico, logo ter em conta os pensamentos dos outros é difícil (Jaffe, 1998).

Posto isto, uma abordagem e um discurso fundado apenas no lógico ou no bom senso poderá ser rejeitado, pois este pode sentir a intervenção exterior como um obstáculo à sua independência. O objectivo será o adolescente ver o terapeuta como uma ajuda e não como uma ameaça à sua independência.

Esta é também uma fase de aquisição de uma identidade própria e da aprendizagem da gestão do stress e das emoções. Construir uma identidade própria implica a capacidade do adolescente para se ver, mas também para se projectar no que pode e pretende ser no futuro.

Independentemente da abordagem técnica, o consumo de drogas parece estar ligado à regulação das emoções. O nosso modelo de tratamento fornecerá meios para regular as emoções, sendo ainda eficaz para a gestão das perturbações depressivas.

O nosso programa específico para jovens tem como objectivo a aquisição de competências que lhes permitam gerir dificuldades com as quais se deparam na vida quotidiana: ansiedade, falta de auto-afirmação, depressão, stress, relacionamento com os pais, grupo de pares, etc., e estes poderão ser combatidos por outra via que não pelo consumo de droga. Trata-se de agir directamente sobre as situações que conduzam ao consumo de produtos psicoactivos. O programa terapêutico incide essencialmente em duas grandes áreas: comportamentos de risco e toxicodependência.

Neste sentido, a Associação Picapau possui um programa e objectivos específicos, de acordo com a situação de cada Jovem, que tendem essencialmente levar o adolescente a modificar alguns comportamentos, questionando modos de agir que até então lhes eram habituais. Exigirá esforço e poderá ser fonte de verdadeiro desconforto.

Para o adolescente, o consumo de substâncias torna-se muitas vezes uma bengala em que se apoia perante o sofrimento provocado por uma disfunção pessoal, familiar e/ou ambiental. Nesta intervenção, o papel do terapeuta consistirá em utilizar os seus conhecimentos na área das drogas e comportamentos desviantes para ajudar o adolescente a traduzir por palavras o que, na maioria das vezes, são sentimentos.

Este programa de tratamento difere do programa geral principalmente ao nível da dinâmica dos grupos e o próprio tempo das sessões que é menor, e também porque o programa de tratamento para Jovens está dividido em dois períodos, o período escolar e o período não escolar.

Durante o período escolar os dias são planeados de acordo com o horário das aulas, com o devido acompanhamento pedagógico e monitorização da adaptação ao ambiente escolar (comportamento e rendimento escolar), realizado em horário e espaço próprios – sala de estudo e de informática.

Durante o período não escolar, os dias enquadram-se na rotina da Comunidade, dividindo-se entre actividades terapêuticas destinadas apenas aos jovens (grupos de partilha, grupos de confronto, grupos de positividade, aconselhamento, dinâmicas de grupo), terapia ocupacional (tarefas de limpeza e manutenção da casa), actividades lúdicas (desporto, jogos terapêuticos) e espirituais (reflexão diária “day by day” e “mais importante”).

No trabalho com os jovens é fundamental o envolvimento da família, visto que o objectivo final será a reintegração do jovem na família, sendo por isso indispensável trabalhar o envolvimento afectivo, os padrões de comunicação e o estabelecimento de fronteiras nítidas que promovam um contexto saudável de interdependência. Como tal, estão previstas no nosso programa sessões de terapia familiar a realizar aquando das visitas à Comunidade, bem como projectos a realizar com a família no exterior. A periodicidade e duração destes projectos dependerão da evolução do jovem no tratamento, estando por isso sujeitos à análise da equipa técnica.

Para além das palestras constituintes do nosso programa geral, acrescem algumas palestras específicas.